sábado, 1 de agosto de 2020

Barrocas: Padre Everaldo Gois se despede e comenta sobre sua passagem pela Paróquia São João Batista (leia entrevista)

Foto: Victor Santos
Após três anos à frente da Paróquia São João Batista, o Padre Everaldo Gois se despediu dos paroquianos durante a celebração da Missa de Ação de Graças no domingo (26 de julho). Com as nomeações e transferências da Diocese de Serrinha, o Padre José Adelson do Nascimento, assumirá as funções em Barrocas a partir do dia 2 de agosto.

O Padre Everaldo Gois, que é  natural de Conceição do Coité, assumiu as funções na Paróquia São João Batista de Barrocas no dia 5 de agosto de 2017, em substituição do Padre Evandro Andrade. Após quase três anos, agora o destino da transferência do coiteense é a Paróquia Nossa Senhora de Belém, município de Biritinga.


Leia na íntegra a entrevista com o Sacerdote Everaldo Gois.

JANV: Padre, nestes três anos em Barrocas, como vivenciou esta experiência de evangelização na Paróquia e com barroquenses? 

R: Para mim, foi uma experiência boa, eu vim da minha experiência em Coité, na minha paróquia de origem, que é muito difícil você ser padre na sua terra natal, mas lá fiquei um ano e meio. Aqui em Barrocas a maior parte de tempo foi coisas boas que aconteceram. Eu digo que foi um tempo de semear a palavra de Deus, o evangelho de Jesus Cristo. Não teve um dia só que eu não falasse de Jesus, do evangelho. Aquilo que surgiu de frutos, tenho certeza que foi Deus que fez crescer, o Padre é apenas um semeador. Então foi um tempo bom. Eu fiquei feliz, fui feliz neste tempo aqui e me alegrei em saber que chegou esse  tempo e aquilo que a gente semeou deu alguns frutos e tem muita coisa acontecendo também nesta paróquia.

JANV: Além da evangelização, qual o legado deixado enquanto padre em Barrocas? 

R: Além da evangelização, tem um momento, querendo ou não, que também faz parte da evangelização, que foi o nosso incentivo com a questão da reforma do cemitério. Todo mundo sabe que o cemitério era paroquial e foi passado para administração da prefeitura com o objetivo de reformar o cemitério que estava meio destruído e a paróquia não tinha recurso na época. Passaram-se  anos e não foi feita esta reforma e a gente incentivou através do povo e aí aconteceu o que era esperado há muitos anos que é a reforma do cemitério. A  parte do padre é explicar sobre o cuidado e o zelo para com os mortos, porque a Igreja sempre acredita na ressurreição e aquele corpo que hoje é sepultado, um dia ele vai ressuscitar como Cristo ressuscitou e nós não podemos tratar os corpos como se fossem um enterro de um animal que se joga no monturo, e a gente lembra que como era, estava bagunçado, sujo e nosso incentivo levou a reforma do cemitério. Assim, hoje podemos dizer que tem essa mudança na mentalidade, as pessoas passaram a ter mais cuidado, um zelo para com os mortos, então podemos dizer que teve essa questão que foi fora da Paróquia, mas que está dentro da nossa missão de evangelizar também. 

JANV: De certo são criados laços com convivência entre os paroquianos barroquenses, a respeito do acolhimento, como descreve este sentimento? 

R: Aqui quando cheguei fui bem acolhido, até o padre de antes tinha colocado essa questão que as pessoas acolhiam bem o padre. Já conhecia muitas pessoas porque passei por aqui como seminarista em 2007, conhecia muitas pessoas da renovação carismática que acompanho há muito tempo, então fui bem acolhido. De início não tive nenhuma dificuldade, assim, é claro que tem as comparações as pessoas ficaram querendo que fosse do jeito dos outros padres, mas a gente foi logo explicando que não tinha que ser de outro jeito. Teve também muita resistência, porque quando a gente chega com a novidade, com o diferente, o diferente sempre causa incômodo, sempre resiste, as pessoas sempre querem que as coisas acontecem do seu jeito, da sua forma e no seu momento, nem sempre é possível. A mentalidade das pessoas não é igual à nossa, então aqui no início tinha muita dificuldade de mostrar que aquilo que entra de recurso que entra na igreja é para investir na evangelização e aos poucos foram entendo isso, começaram a melhorar as capelas, a investir na tecnologia e nos meios de comunicação e foram percebendo que depois invés de ser algo que parecesse negativo, que o padre gastava o dinheiro da igreja nas coisas, na verdade, foram entender no final que era um investimento e que hoje a paróquia tem a Igreja com muitos bancos, som excelente, com rádio, youtube com transmissão digital, porque um dia teve coragem de investir, mesmo com dificuldade e compreensão das pessoas. Então, de início teve essa dificuldade, mas depois se tornou uma forma de perceber que aquilo tudo foi bom. Na questão do financeiro, as pessoas não entendiam quando o dinheiro era pra evangelizar, para investir na igreja e não para guardar, mas depois foram compreendendo. 


JANV: Após 3 anos à frente da Paróquia São João Batista, como foi celebrar a missa de despedida? 

R: “Para mim foi uma alegria saber que cumpri uma missão. O padre, ele não veio para ficar, ele vem para fazer uma missão, achei que seria rápido, um ano ou um ano e meio, eu sempre fico assim. Mas pra mim foi alegria saber que entre tudo que aconteceu a maior parte foi coisas boas, teve os erros, porque a nossa humanidade também erra, o padre também peca, também o padre fere, também o padre machuca, mas "entre mortos e feridos, salvaram-se todos". Então, a maior parte foi momento de alegria, muitas coisas boas aconteceram, então para mim a celebração não foi de tristeza e foi de alegria saber, cumprindo a missão pra aquilo que fui enviado, tendo a graça de Deus agindo em mim, o Padre é só instrumento. 

JANV: Qual é a mensagem do sacerdote Everaldo Gois para Barrocas, em especial a comunidade católica?

R: A mensagem que deixo para os católicos de Barrocas é: perseverar na fé no seguimento de Jesus Cristo. Jesus ele é o pastor que guia suas ovelhas, o povo deve seguir a Jesus, o povo não deve seguir ao padre. O padre também é uma ovelha, mas uma ovelha que vai à frente das outras, como uma ovelha mais velha que puxa o rebanho. Então se o povo aprender que deve olhar pra Jesus, deve seguir Jesus, independente de quem seja o padre que venha e que vá, esse povo cresceu na fé. Mas se começarem a recurar, pisar no freio porque mudou de padre, então estão fazendo amizade com padre não com Cristo. A verdeira amizade se as pessoas querem fazer com o padre é porque tem um amigo em comum: Jesus. Então, a mensagem que deixo é que as pessoas cresçam na amizade com Cristo, que esse amor e carinho pelos padres, tenham também por Jesus, porque Ele nunca vai, ele tá sempre aqui a nos aguardar e nos esperar, então que todos possam crescer e na amizade e no seguimento de Jesus Cristo.


A Paróquia São João Batista, por meio da PASCOM, agradeceu a dedicação na evangelização em Barrocas e destacou o testemunho de vida de Everaldo: "Nós, paroquianos de Barrocas, guardaremos em nossas memórias e em nossos corações todos os momentos vividos, pois foi seu testemunho e seus ensinamentos que nos mostrou um caminho de luz ao lado de Deus e nos fez ser melhores na caminhada espiritual.". 

Na mesma postagem, a futura paróquia que receberá Everaldo, comentou a publicação de despedida: "A paróquia Nossa Senhora de Belém-Biritinga te acolhe com muita alegria e entusiasmo.". 
Da Redação - Por Victor Santos

Sem comentários:

Publicar um comentário