quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Barroquenses torcedores do Flamengo falam sobre boa fase da equipe

Lucas, Sidclay e Tayrone tem uma paixão em comum. Fotos Kauã Sherman

O Clube de Regatas do Flamengo é o time com maior torcida em território nacional, são mais 42 milhões de rubro-negros espalhados pelo país e no Nordeste não é diferente, o time conta com uma legião de fãs. Na Bahia, a equipe carioca aparece em terceiro com maior número de torcedores apaixonados. O Flamengo vive uma grande fase atualmente, em pouco menos de três anos, são onze títulos conquistados: 2019: Florida Cup, Taça Rio, Carioca, Brasileiro e Libertadores; - 2020: Taça Guanabara, Supercopa do Brasil, Recopa Sul-Americana, Carioca e Brasileiro; - 2021: Supercopa do Brasil.

Lucas Pardal
O carioca, filho de barroquenses, Lucas Santos Silva, de 37 anos, é mais um fanático que começou a torcer para o rubro-negro ainda na infância, segundo ele, por influência de familiares: "Comecei a torcer muito novinho, ainda criança, por influência de Bel, tio Nealino e meu pai, todos Flamenguistas". O motorista exaltou a grande fase da equipe, mas relembrou que nem tudo são flores, e já sofreu com o time: "Falar do atual Flamengo é muito fácil, temos uma seleção nas mãos, mas não nasceu em 2019, esse momento ímpar passou a ser escrito em 2013, quando o presidente naquela época, resolveu organizar a casa, principalmente a parte financeira", relembrou. O conhecido Pardal destaca o atual elenco e diz que é o melhor Flamengo que já assistiu e se diz orgulhoso do time.

Sidcley de Zeca
O barroquense Sidclay Matos, de 49 anos, diz que é Flamenguista desde os primeiros dias de vida, e com o passar dos anos a paixão e o vínculo com o clube cresceu cada vez mais: "Não tive influência de ninguém, mas nos anos 80, com Zico, cresceu mais a paixão pelo Flamengo, abaixo de Deus e da minha família, o Flamengo está na minha vida. Como todo torcedor, Sidcley é apaixonado pelo manto rubro-negro, e relatou uma história com uma das camisas: "Meu pai me deu minha primeira camisa, no tempo que eu ganhei, uma mulher estava gomando a camisa, e queimou a manga, quando vi eu só faltei chorar, eu tenho amor as minhas camisas do Flamengo. O motorista já acompanhou diversos jogos da equipe carioca na Bahia, mas disse que tem um sonho: "Quero ver o Flamengo jogar no Maracanã, deve ser muita emoção entrar num estádio como o Maracanã é muito emocionante", afirmou.

Tayrone de Bizega
O Radiologista Tayrone Queiroz Silva, de 51 anos, teve influência do saudoso Jaime Lião, quando vizinhos, na época da Rádio Globo escutavam aos jogos do rubro-negro carioca, isso na primeira era de ouro do Mengão, com Zico e companhia elevando o clube ao melhor time do mundo, em 1981: "Eu tinha 12 anos, e ele namorava com Luzia, e a gente assistia os jogos do Flamengo lá no Cedro, que o sinal era bom, toda vez que ele ia ele me chamava, ai eu comecei a gostar do Flamengo, com Zico, Andrade, Raul. Nos anos 80 quem mandava no futebol brasileiro era o Flamengo, então isso me fez gostar do time, e até hoje continuo apaixonado. O torcedor destacou o grande ídolo Zico, como um jogador que marcou a antiga geração, e Arrascaeta como um maestro do atual elenco. Tayrone explica um pouco sobre os títulos conquistados: "É reflexo da administração, de 2015 pra cá, são seis anos se estruturando, depois disso são 11 títulos conquistados", declarou.

Para as antigas e novas gerações, uma opinião é unanime, as últimas boas gestões tornaram o atual Flamengo uma potência, até mesmo a maior já vista na história do clube, são títulos e mais títulos, campanhas consagradas, jogadores de peso e cada vez mais uma nação apaixonada e orgulhosa pelo time que tem. Hoje a noite o Flamengo encara o Barcelona de Guayquil na busca pelo conquista de mais uma Libertadores da América.

@ Nossa Voz por Kauã Sherman

Sem comentários:

Enviar um comentário