quinta-feira, 4 de maio de 2017

Barrocas: Mãe reclama de atendimento médico no Hospital Municipal

Hospital Municipal Dr. José Maria de Magalhães Neto - Barrocas
Demostrando Indignação com o atendimento da ala pediátrica do Hospital Municipal de Barrocas, a dona de casa Ana Selma de Oliveira, 27 anos, afirma que sua filha de apenas 1 ano, deu entrada no hospital na última quarta-feira (03), porém segundo ela, a criança não recebeu atendimento satisfatório.

Ana Selma, contou detalhes do atendimento: "Eram por volta das 14 horas quando fui levar ela ao hospital, pois já estava desacordada com 40º graus de febre, chegando lá a atendente fez a ficha, colocou termômetro para medir a febre, ai de imediato quando apontou a febre que ela tava, a enfermeira disse que iria mim colocar na frente pois a febre de minha filha estava muito alta. Passados uns 5 minutos, quando entrei na sala do médico, ele nem sequer olhou para minha filha, ele só perguntou onde era o posto de saúde de onde eu morava" relatou a senhora.

A mãe, preocupada com o estado de saúde da filha, disse que esperava que a criança fosse internada: "com a febre que ela tava era pra ele mandar ela lá pra dentro imediatamente e passar logo algum remédio no soro, ele passou foi dipirona, eu falei que já tinha dado dipirona a ela, e que a febre não estava cedendo. Perguntei se ele não iria passar antibiótico, ele disse que não precisava passar antibiótico por que não tinha pus, e mandou que eu levasse ela no posto. Eu disse a ele que enfermeira não passa remédio e que quem passa é o médico. Depois que tomou a dipirona na perna , ele mandou que eu sentasse lá fora com minha filha ainda desacordada" contou.

Esperando que a febre da criança baixasse, ainda no hospital, dona Selma relata que colocaram o 'aparelhinho' (termômetro) 3 vezes na crianças: "mediram 3 vezes e a febre sem baixar e o médico nem ai para minha filha, eu ainda falei algumas coisas lá dentro, que era muita falta de respeito pela criança", afirmou.

Desesperada, dona Selma, pegou a sua filha e voltou para casa: "eu acabei indo embora fiquei muito revoltada com aquela situação de ver minha filha naquele estado e sem poder fazer nada" lamentou;

Entramos em contato com o Hospital Municipal de Barrocas para ouvir a posição da Direção em relação ao caso. Em nota a Coordenadora de Enfermagem, Emile Aquino Pinheiro, esclareceu questionamentos a cerca do atendimento realizado na quarta-feira, 03/04/2017: "Informamos que a paciente foi atendida nesta unidade, foi medicada e saiu com receita médica para tratamento em casa, como também referenciada para a unidade de Saúde da Família, a qual é cadastrada. Vale ressaltar que uma unidade hospitalar tem o objetivo de atender os casos de urgência e emergência. Urgência e emergência são dois termos na área de medicina, urgência são situações que não podem demorar porque corre risco de vida, emergência são casos que podem esperar até 12 horas, mas com caráter menos imediatista" justificou.

@ Nossa Voz - Por Daniele Oliveira

2 comentários:

  1. Nossa como tem gente sem noção do que fala. Pois a minha filha foi atendida no mesmo dia,pelo mesmo médico e foi bem atendida,melhor impossível.
    Na verdade reclamam demas,vai pra outros hospitais em outras ciddes, que chega 6:00 d manhã e só é atendido 13:00 uma da tarde.

    ResponderEliminar
  2. Nossa como tem gente sem noção do que fala. Pois a minha filha foi atendida no mesmo dia,pelo mesmo médico e foi bem atendida,melhor impossível.
    Na verdade reclamam demas,vai pra outros hospitais em outras ciddes, que chega 6:00 d manhã e só é atendido 13:00 uma da tarde.

    ResponderEliminar