sexta-feira, 8 de maio de 2015

Comerciante reclama de corte de arvores na Rua José Maximiniano


O comerciante conhecido como Antonio de Durval, proprietário de um armarinho na Rua José Maximiniano lamentou na manhã desta quinta-feira (08) o corte de cinco arvores da espécie fícus, que para ele servia como sombra nos dias quentes, além de proporcionar um visual agradável na rua.

Conforme apurou a nossa equipe, as arvores foram cotadas por conta de a noite o local ficar muito escuro, servindo de abrigo para vândalos que estão atacando o Infocentro. Indignado com a forma que o corte ocorreu o comerciante acredita que esta ação deveria ter sido comunicada; “reunia o povo, levava isso para sessão da câmara de vereadores, avisava no carro de som, não é chegar cortando”, declarou.

Ainda de acordo com o comerciante o seu lazer junto ao neto acabou; “essa era a sombra que eu e meu neto ficávamos sentado, não precisava retirar 5 arvores”. Para realizar o corte, o responsável optou pelas árvores que encobriam a iluminação do poste que fica no mesmo canteiro.


Recentemente o Infocentro foi alvo de vandalismo, os funcionários ao chegarem para trabalhar na manhã da segunda-feira (04), se depararam com muitos vidros espalhadas [ler aqui] pelo chão, pedras foram arremessadas contra as vidraças, talvez pelo escuro na rua o ato foi praticado com mais facilidade. 

O plantio desse tipo de árvore foi muito comum em Barrocas, porém devido a alguns transtornos nos últimos anos elas vem sendo cortada inclusive a pedido dos moradores. Segundo o site Jardineiro.net a arvore causa diversos danos à cidades; “Devido a sua popularidade, o ficus vêm sendo implantado em locais impróprios, como em calçadas, ruas e próximo a muros e construções. Com o desenvolvimento da árvore, as raízes agressivas acabam provocando grandes danos às estruturas e tubulações subterrâneas, de forma que já é proibido o seu plantio em diversas cidades.

@ Nossa Voz - Por Victor Santos

Sem comentários:

Enviar um comentário