sexta-feira, 6 de junho de 2014

Desde que Ferreira levantou da cadeira, tá um senta levanta que os munícipes chegam a ter dúvidas de que é o ‘Manda-Chuva’.

Anos atrás, era o ex-secretário que como todos bem sabem dominava desde as receitas, finanças às indicações aos cargos de confiança, portarias e contratos, dizem que até nos concursos públicos ele podia dar palpite. O tempo passou tiraram dele não só a caneta, mas também puxaram a cadeira que ele já se preparava para ‘sentar e deslizar’, frustrado até hoje tenta se recuperar da perda.

Mas e quem ficou na cadeira? Com quem está a tão comentada e cobiçada caneta?

Existem comentários dando conta de que não há mais canetas, atualmente no gabinete parece que só escreve com lápis, sem muita força para logo questionar o que está no papel; “não, não quem disse que essa letra é minha?Hoje não, falei que pagava mês que vem, mas passa na próxima semana pra vê” , compromisso ou obrigação escritos em papel de pão.

Há os que afirmam que hoje em dia são tantas as canetas que tá faltando é tinha para a maioria delas, algumas recarregadas com tintas vindas direto da fabrica estão sendo muito usada, para assinar de tudo.

E a cadeira? Muitos são fotografados posando nela, porém pouco tem se resolvido a partir dela, promessas são feitas sentados ou de pé, mas na hora H, não se encontra ninguém por lá para honrar com compromissos assumidos. A pobre da cadeira tão valorizada no passado fica mais tempo desocupada do que em uso. Hoje a situação é tão complicada que há todo tipo de gente querendo se apoderar dela, até um ex-retratista anda sonhando em ocupá-la.

Diante de tudo isso o medo que dá, é alguns começarem a sentir falta daquele que da cadeira fez muita gente sentir na pele a fúria do poder, soberano como se num trono repousasse, tratou o povo com desdém, segurou a caneta com tanta força que nem mesmo o ex-secretário podia tocar nela, tanto que para ter acesso a tal regalia escolheu o seu próprio candidato só parar ficar com ela por alguns anos e ser o 'manda chuva'.

Por Rubenilson Nogueira

Sem comentários:

Enviar um comentário