sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Barrocas: Vítima de acidente, motociclista tem pé amputado e segue internado. Família está indignada, pois sequer a ocorrência foi registrada.


Eleandro de Oliveira Santos, 35 anos sofreu graves ferimentos na perna esquerda devido a uma colisão ocorrida na manhã de ontem, na BR349, trecho entre Alambique Barrocas. 

Transferido às presas, Eleandro que é conhecido como Coca, em virtude da gravidade do ferimento, logo que deu entrada no Hospital Clériston Andrade, em Feira de Santana, teve o pé amputado. Ele também passou por uma cirurgia no fêmur. 

Segundo a irmã Eliene, Eleandro está bem e apesar da amputação, segue tranquilo e demonstrando muita força; “Ele já saiu daqui sabendo que não ia ter jeito, que ia perder a perna, apesar de tudo a preocupação dele era com nossa mãe, pediu para comprar calmantes para ela” disse a irmã bastante emocionada.


Irmãos de Eleandro, Eliene e Luciêlio
Apesar da gravidade do acidente, após 24 horas a família de Eleandro ainda não conseguiu uma resposta da Polícia, nem mesmo a ocorrência foi registrada (até a manhã desta sexta-feira), indignados com a forma que o caso está sendo tratado um dos irmãos desabafou; “Eu quero saber até quando essa impunidade vai continuar no município de Barrocas”?

Segundo o irmão da vítima tanto a Polícia Militar quanto a Civil foram chamadas, mas não foram ao local; “Meu pai foi lá e não vieram, conseguimos um carro e voltamos para que eles fossem ao local fazer a ocorrência, mas logo disseram que não precisava ir, bastava levar a moto para a Delegacia” relatou Luciêlio.

Não houve sequer a perícia para apontar as causas do acidente, a moto ficou um bom tempo no local; “Um amigo nosso ficou lá esperando a Polícia chegar e eles não foram” relatou.



Casado, Eleandro tem uma filha de 2 anos, ele saiu do Povoado de Lagoa da Cruz onde mora, para vir a Barrocas na manhã de ontem trazer um exame da filha quando o acidente aconteceu; “Nos estamos abalados, estamos correndo, a gente quer justiça, uma coisa dessa não existe, gente o que tava ali é um ser humano, não era um animal era um ser humano, o que tá doendo mais é isso, a falta de ação, queremos que os policiais se mobilizem”. A família não sabe sequer quem foi o motorista envolvido no acidente, o que houve, ou mesmo se ele estava sobe efeito de bebida alcoólica.

@ Nossa Voz

Sem comentários:

Enviar um comentário