sexta-feira, 28 de novembro de 2014

João Neto acima de tudo “foi um homem apaixonado por sua terra natal”


João Gonçalves Pereira Neto, conhecido como João Neto, 93 anos faleceu na quinta-feira (27) e foi sepultado na manhã de hoje no cemitério Municipal de Barrocas numa cerimônia discreta.

João Neto é um dos ilustres filhos dessa terra, apaixonado por Barrocas e por sua história, lançou em 2007 o livro ‘Barrocas – Uma filha da estrada de ferro’, numa parceria com o também barroquense e não menos apaixonado, Tiago de Assis Batista.

O livro conta detalhes do surgimento do então vilarejo que se tornaria a cidade de Barrocas, desde a chegada da estrada de ferro às terras da Fazenda Espera, a instalação do canteiro de obras que em seguida receberia o nome de barracamento, trata ainda da primeira emancipação política e sua reemancipação. Nas palavras escritas, ‘como diz a apresentação’, “sem pretensão de produzir uma obra literária, João Neto queria apenas resgatar um pouco da história de Barrocas, sua terra amada”.

Na leitura do livro é preciso identificar com facilidade essa paixão, mas ele foi além, apesar da idade e limitações, João Neto passou seus últimos dias de vida respirando o ar barroquense.

Seu João parte mas deixa seu legado, exemplo e uma história que com toda certeza será sempre lembrada e destacada.

@ Nossa Voz
Saiba um pouco mais sobre João neto, clicando abaixo;


João Gonçalves Pereira Neto nasceu na Fazenda Maroto, município de Serrinha, no dia 3 de fevereiro de 1921 e aos quatro anos veio morar na Fazenda Itapororoca, próxima ao povoado de Barrocas; casado com D. Maria Mara de Queiroz Pereira (Zizi); pai de sete filhos, 13 netos, duas bisnetas e um bisneto. 

Fez o curso primário em Barrocas, tendo como professora Alice de Santa Tereza dos Anjos. 

Filho de família religiosa, fez sua Primeira Comunhão na primitiva capelinha de Barrocas. 

Na fazenda Itapororoca, teve intimidade com a enxada e com outros instrumentos agrícolas e também com carro de boi; aprendeu a arte de marceneiro; praticou telégrafo na estação de Barrocas. 

Convocado a servir o Exército Brasileiro, durante a Segunda Guerra Mundial foi como expedicionário lutar na Itália contra as forças inimigas. 

Voltando vitorioso da guerra, condecorado com a Medalha de Campanha, ingressou na estrada de ferro Viação Férrea Federal Leste Brasileiro (VFFLB), exercendo as funções de telegrafista. Dado o seu saber, experiência e aptidões, ingressou na PETROBRAS, onde exerceu várias funções, venceu concursos e mereceu promoções; trabalhou na Estação Dom João (São Francisco do Conde), Estação São Roque (Mata de São João), Estação de Camboatá (Alagoinhas); morou por algum tempo em Mata de São João (Bahia), transferindo-se para a Capital; fez acordo com a empresa em maio de 1973, vindo a se aposentar em maio do mesmo ano; hoje, como aposentado vive em Salvador. 

João Neto nunca perdeu suas ligações com Barrocas; foi candidato a vereador do município, ficando na suplência; exerceu a função de Secretário de Administração do recém-criado município. 

Homem de fé, nunca se afastou de suas práticas religiosas, estando sempre integrado na atividade pastoral, mereceu ser indicado como candidato à função na Igreja de diácono permanente. Sua ordenação diaconal aconteceu em Bogotá na Colômbia pelo papa Paulo VI. 

João Neto, já aposentado, não desistiu da luta pelo desenvolvimento e bem-estar de sua terra natal. No desejo de que a nova geração conheça as origens históricas do Município de Barrocas, lançou em agosto de 2007 o livro de sua autoria "BARROCAS, uma filha da estrada de ferro". 

Fonte: http://barrocasbahistoria.blogspot.com.br

Sem comentários:

Enviar um comentário