sábado, 30 de janeiro de 2016

Agricultores barroquenses encontram dificuldades no plantio da mandioca; "Tá faltando manaíba na região".

Foto: Reprodução
Segundo agricultores consultados pelo JANV, diante das constantes chuvas a região vive o momento é ideal para semear o solo, com o clima propício dá para plantar de tudo, mas especialmente, "o feijão de corda e a mandioca" como destacou a senhora Nilza, moradora da região de Nova Brasília.

Secretário Maria Lucenir
Porém, os agricultores tem enfrentado dificuldade para encontrar a manaíba, que é uma parte do caule da mandioca adulta. Manaíba ou manivas - São pedaços de caule de plantas adultas saudáveis, com 15 a 25 cm de comprimento e cerca de 2,5 cm de diâmetro. As manivas são colocadas em sulcos ou covas de 5 a 10 cm de profundidade.

Segundo a secretária de Agricultura Maria Lucenir, em outras ocasiões a manaíba vinda da cidade de Santo Antônio de Jesus, distante 202km de Barrocas, adquirida em parceria com a Prefeitura Municipal de Barrocas não adaptou-se ao clima e solo da região "O que plantou não se desenvolveu". Para aproveitar o bom tempo e as chuvas a Secretaria tem tentado adquirir a raiz em outras cidades da Região do Sisal; "caso alguma cidade como Serrinha, Teofilândia, C. do Coité e etc tiverem a manaíba, podemos trazer para plantar em Barrocas". 

Cerealista Gelson da Farinha
Para o cerealista Gelson da Farinha, a cultura de produzir a própria farinha da mandioca está prestes a ser extinta na cidade; "Diante da ausência de mão de obra, tempo de espera e produção com baixo retorno financeiro as famílias preferem comprar pronta" afirma o Gelson da Farinha. Sobre a manaíba deixou claro que a procura existe, agora um número 'razoável' de pessoas. 

Um dos derivados da mandioca, a farinha de mandioca, em estabelecimentos comerciais barroquenses variam de preço, o litro custa em média de R$ 1,50 à R$ 3,50 reais do produto trazido da cidade de Crisópolis-BA. Na feira-livre, as sextas e sábados é fácil encontrar a goma, bolo de aipim e a bolacha de goma. 

Poucas casas de farinhas comunitárias são vistas em funcionamento atualmente no município, a tradição vem perdendo forças, quando antigamente dezenas de mulheres em grupo passavam dias raspando, coando e preparando a goma para o beiju e diversos derivado da mandioca, dedicação que gerava emprego e renda nos povoados.  


Foto: Arquivo
Conheça o inventor barroquense que resolveu o problema da falta de mão de obra na produção da farinha de mandioca. Veja aqui! Conheça a comunidade que conseguiu um curso para ensinar a trabalhar com os derivados da mandioca. Veja Aqui!

@ Nossa Voz da Redação - Victor Santos e Rubenilson Nogueira

Sem comentários:

Enviar um comentário