sexta-feira, 29 de abril de 2016

Barrocas: Servidores municipais da saúde lotam sessão da Câmara Municipal e protestam exibindo placas


Na noite desta quinta-feira (28), dezenas de servidores municipais veiculados a Secretaria Municipal de Saúde foram à Câmara de Vereadores e acompanhara os trabalhos da 13° Sessão Ordinária do 1° período legislativo.

Os servidores esperavam a votação do projeto de suplementação de autoria do poder executivo, segundo um dos profissionais presentes no protesto, com o baixo orçamento o setor da saúde pode passar por dificuldades ainda maiores. 

A manifestação pacífica buscava pressionar os vereadores a se posicionarem a favor da suplementação de 12% como solicita o executivo. Os servidores que lotaram as cadeiras seguravam nas mãos placas, algumas com as frases “2015=30%, 2016=0,4. Como trabalhar?”, questionava os profissionais, “sem orçamento a saúde não funciona”. “precisamos de orçamento” diziam. Antes da fala do presidente, e ciente que a votação não ocorreria como esperavam, os manifestantes deixaram a casa da cidadania antes do fim.

Plenário lotado com a presença dos manifestantes e do público que sempre participa das sessões
Durante a sessão os vereadores discursaram sobre a suplementação que movimentou a cidade nos últimos dias. Tanto Adelson Brito (PT) ex-secretário de Saúde, como Gerinaldo Moreira (PT) pediram bom senso para que a fosse realizado três sessões possibilitando a votação do projeto. Os peemedebistas Miguel Carvalho e Waldir Ferreira rebateram pedindo que o projeto fosse avaliado pelas comissões e que uma reunião foi marcada para discutir. Ainda segundo os edis o gestor ainda tem recurso em caixa para alocar e pagar os servidores.

Kekeu de Dãozinho (PR) relembrou que o projeto chegou na casa no dia 19/04, quase dez dias depois ser protocolado não passou por votação. “Segundo os técnicos da saúde, segunda-feira muitos setores podem parar” alertou o edil preocupado com a pasta que recentemente ganhou uma nova Secretária, a Sr. Paloma Carneiro, que se fazia presente na sessão. Zé Inácio (PR) pediu aos colegas que o projeto entrasse na pauta para votação.


De acordo com o presidente da câmara de vereadores, Antonio Lima, o projeto não designa onde o recurso seria aplicado, tampouco especifica quanto a Secretaria de Saúde movimentaria; "tudo que for de bom para o nosso povo votamos, mas precisamos sentar e avaliar o destino do recurso" disse. 

Com exceção do vereador João Luiz Damião (Dudinha) todos os demais vereadores participaram da sessão.

Vereadores da base acusam a oposição de atuarem pelo quanto pior melhor, pois na história do município nunca houve um orçamento tão baixo; "o papel do vereador é fiscalizar a aplicação dos recursos, não prejudicar o município e os servidores alegando que há desvios, assim eles estão afirmando que não tem capacidade de exercer o cargo para o qual foram eleitos" disse um servidor que pedia para não ser identificado.

@ Nossa Voz - Por Victor Santos

Sem comentários:

Enviar um comentário