quarta-feira, 13 de abril de 2016

Professor barroquense se posiciona contra processo de Impeachment da Presidenta DIlma

Reprodução Facebook
Gilmar Pereira Mota, 30 anos, é formado em Pedagogia pela Uneb e esta cursando Contabilidade pela Unopar, atualmente ele é Diretor da Escola de 1º Grau José Pedro Mota, no Povoado de Lagoa da Cruz, Zona Rural de Barrocas onde nasceu. 

Na terça-feira (12) após a Comissão do Impeachment instalada na Câmara dos Deputados, aprovar a admissibilidade do processo contra a Presidente Dilma Rousseff (PT), Gilmar utilizou as redes sociais para se posicionar de forma contrária ao Impeachment, que em sua opinião trata-se de um golpe.

"Para mim, o processo de Impeachment só seria legitimo, se a presidente tivesse sido indiciada, julgada e condenada, conforme rege a Constituição, só após disso se abriria o processo. Como não ha crime de responsabilidade provado, estão atropelando os limites constitucionais para manipular e golpear o estado de direito. Outra condição para que houvesse tal processo, seria que só fosse permitido votar, parlamentares que não sofreram nenhuma sanção, ou que não fosse alvo de investigação por corrupção. Mas o cenário que vemos é; dos 38 deputados da comissão 35 são alvo de investigação a corrupção, um dos condutores do processo será o presidente da câmara, o Deputado Eduardo Cunha, também alvo de investigação em vários esquemas, inclusive na operação lava-jato. O Impeachment se consumando, só ficará provado que o Brasil sofrerá mais um duro golpe contra a democracia, a ponto de retirar uma presidente legitimamente eleita pelo povo. Tudo isso, só tirará a credibilidade de uma país que se julga democrático". Escreveu o educador.

@ Nossa Voz - Reprodução Fecebook

1 comentário: