sábado, 29 de agosto de 2020

Covid-19: Em meio a pandemia, barroquenses relatam cuidados essenciais na hora de ir às compras

É importante ter cuidado durante e depois das compras - Foto: Ana Clara Santos
A pandemia da COVID-19 afetou a todos de forma direta e indiretamente. Agora estamos mais preocupados com saúde, e para isso foi preciso mudanças na rotina diária, mas também percebemos alterações na economia, como o aumento considerável nos preços, a escassez de alguns produtos. Em Barrocas, Feirantes e consumidores falaram das precauções diárias, como uso da máscara, o cuidado no contato com alimentos tanto na hora da compra e o retorno para casa, após a ida ao centro comercial da cidade.

Outro fator abordado junto a este público são os valores das mercadorias, os barroquenses explicaram que os preços praticados aumentaram consideravelmente, situação que encareceu as compras de frutas, legumes e verduras no Centro de Abastecimento Municipal.

Professora vai às compras sempre às sextas-feiras - Foto: Ana Clara Santos
A professora Maria Ataciana de Queiroz, 45 anos, conhecida como Tacy, realiza a compra das frutas e verduras na sexta-feira, ela relatou sobre o 'aumento absurdo' nos preços e da necessidade que tem em comprar os itens mesmo com os valores alterados, mas principalmente da preocupação ao chegar em sua casa: "Continuo indo ao centro de abastecimento, porém prefiro os horários de menos movimento. Mantive os mesmos dias porém mudei os horários, vou em horários alternados. Percebi várias mudanças, as coisas estão mais caras, preços em alguns itens absurdos, mas infelizmente, temos que comprar. Também tenho que ter cuidado quando chego em casa das compras, porque tenho filha pequena, aí quando chega fica querendo abraçar, então já chego vou pela garagem, deixo as coisas na água, entro e tomo banho. A gente não sabe quem a gente encontrou na rua, como as pessoas estão, aí tem que ter todo esse cuidado, não só com as compras mas com a gente principalmente", afirmou.

Foto: Ana Clara Santos
O conhecido Pigo, é quem realiza a compra de frutas e verduras para sua casa. Com 50 anos, José Vangivaldo de Queiroz, que trabalha como encarregado de acabamento da construção civil, falou sobre a necessidade da higiene que se torna ainda mais importante nesse momento, e comentou sobre os contantes aumentos nos preços: "Tomo cuidado, uso máscara, e as frutas essas coisas pego e nunca levo a mão ao rosto. Sempre gosto de ir a compra dia de sexta a noite que é o horário mais viável. Os preços mudaram muito, um final de semana é um preço, no final de semana seguinte é outro, e assim sucessivamente. Sempre lavamos as verduras e frutos com q'boa, botamos dentro da água e deixa um tempo, em termo da higiene está tudo do mesmo jeito, antes da pandemia era assim, agora mais cuidado nós temos", disse Pigo reforçando as precauções necessárias. 

Foto: Ana Clara Santos
Maria Enaide de Araújo, lavradora de 53 anos, que comercializa frutas no centro de abastecimento, falou da enorme preocupação e o medo que tem ao chegar ao trabalho. Ela que não pode evitar o contato com os clientes, relatou que de início foi um susto:"Temos tanto medo, meu álcool gel não sai de perto, coloco q'boa num vasinho spray e levo para o centro para espichar nos sacos de frutas e verduras que chegam. Esse tempo não tem cliente quase nenhum, aqui nas quentinhas, os negócios estão quase parado, só delivery, e já preciso ficar aqui eu durmo para não voltar para casa", revelou. Sobre os preços, a feirante reconheça que houve aumento, e revelou que houve queda nas vendas: "Os produtos aumentaram muito, e na rotina continuou já que não pode mudar porque preciso trabalhar, e só diminuiu a vendagem", lamentou 

Da Redação: Por Ana Clara Santos

Sem comentários:

Publicar um comentário